Terça, 22 de Setembro de 2020

Campanha de Cadastramento de Medula Óssea começa segunda-feira

A campanha será realizada em cinco pontos da cidade em dias e horários diferenciados; pessoas com idades entre 18 e 55 anos podem ser cadastradas
28/05/2010 as 00:00 | Votuporanga | Da Redaçao
A Prefeitura de Votuporanga, em parceria com o Hospital Pio XII (Hospital de Câncer de Barretos) e a Ordem Demolay, realizam de 31 de maio a 5 de junho, uma campanha para cadastramento de doadores de medula óssea. De acordo com a assistente social do Hospital do Câncer de Barretos, Greicielli dos Santos Fermiano, a estimativa é que cerca de 2% a 3% da população de Votuporanga se tornem possíveis doadores de medula.

Durante essa semana, a população poderá se cadastrar em cinco pontos da cidade em dias e horários diferenciados. Do dia 31 de maio ao dia 2 de junho, das 8 às 17 horas, o cadastro será realizado no AME (Ambulatório Médico de Especialidades), Consultório Municipal “Jerônimo Figueira da Costa Neto”, Praça da Matriz, Supermercado Santa Cruz (Loja 3 – Pozzobon) e nos dois campi da UNIFEV – Centro Universitário de Votuporanga. No dia 4 e 5 de junho, o cadastramento será feito apenas Praça da Matriz das 8 às 17 horas, e no Supermercado Santa Cruz (Pozzobon) das 10 às 20 horas e das 8 às 17 horas, respectivamente.

Conforme informações da Secretaria de Saúde este é apenas um cadastro do perfil da pessoa, que será levado para um cadastro mundial, ficando sujeito à possibilidade de ser um possível doador de medula. Caso seja identificada a compatibilidade, o cadastrado será questionado se deseja fazer a doação, que é um procedimento simples, sem riscos e indolor.

Todas as pessoas com idades entre 18 e 55 anos podem ser possíveis doadores, desde que não tenham sido submetidas a tratamentos de câncer com quimioterapia e radioterapia ou sejam portadores do vírus HIV. Gestantes podem doar, assim como pessoas que tenham diabetes, pressão alta, ou as que estejam fazendo uso de medicamento. Para a coleta de sangue não é preciso estar em jejum.

Probabilidades

A chance de encontrar um doador compatível de medula óssea no Brasil é uma em 100 mil. Em casos mais raros, como encontrar no mundo todo, sobe para um em um milhão. Essas vidas poderiam ser salvas se mais pessoas estivessem cadastradas no Redome (Registro de Doadores de Medula), instalado no Instituto Nacional do Câncer (Inca). Segundo a enfermeira do Hospital do Câncer de Barretos, Alessandra da Silva Maldonado, em 2009 o Redome alcançou a marca de um milhão de cadastrados.

Medula óssea é um tecido líquido que ocupa o interior dos ossos onde são produzidos componentes do sangue. Se não houver compatibilidade com o doador, o receptor poderá sofrer graves problemas de saúde e até ir a óbito. Quando não se encontra um doador compatível na família do paciente, geralmente um irmão, recorre-se ao Redome na busca por doadores do mesmo grupo étnico.

Encontrando-se um doador compatível é feito o transplante, que consiste na substituição da medula doente ou deficitária por células sadias, com objetivo de reconstituir o tecido sanguíneo. Na retirada, apenas 10% da medula óssea do doador é colhida em procedimento que não causa danos à saúde, uma vez que a medula se regenera, permitindo, inclusive, novas doações, como informa o Inca. Em no máximo 15 dias o organismo recompõe a medula novamente, podendo assim doar quantas vezes for compatível.

Em Votuporanga há um caso que já se tornou conhecido regionalmente. O analista de redes Maurício Munhoz foi o primeiro doador sem parentesco da região de São José do Rio Preto. O transplante aconteceu há cerca de quatro anos, em Porto Alegre (RS). Segundo Maurício, na época ele trabalhava no Hemocentro de Londrina (PR) e lá se sentiu estimulado a fazer o cadastro. Depois de algum tempo após o cadastro, ele foi chamado para fazer alguns exames no Hospital das Clínicas em São José do Rio Preto onde foi verificada a compatibilidade com o paciente. Ele conta ainda que o transplante foi simples e que a satisfação de saber que salvou uma vida é muito maior do que o fato de passar um dia no hospital.
MAIS LIDAS
É vedada a transcrição de qualquer material parcial ou integral sem autorização prévia da direção
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugestão de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com