Brasil conclui testes de soro para picadas mltiplas de abelha - regiaonoroeste.com
Quinta, 09 de Fevereiro de 2023

Brasil conclui testes de soro para picadas mltiplas de abelha

25/08/2019 as 08:53 | Brasil | Da Redaao
Aps dez anos de estudos e testes, o Brasil est se preparando para ser o nico pas do mundo a produzir o soro antiaplico contra mltiplas picadas de abelhas. Os pesquisadores responsveis pelo projeto, Marcelo Abraho Strauch, do Instituto Vital Brazil (IVB), e Rui Seabra Ferreira Jnior, do Centro de Estudos de Venenos de Animais Peonhentos (Cevap) da Universidade Estadual Paulista, querem submeter, ainda este ano, ao Ministrio da Sade e Agncia Nacional de Vigilncia Sanitria (Anvisa), os relatrios com os resultados positivos alcanados nos ensaios clnicos da primeira fase, que envolveram testes em 20 pessoas mordidas por muitas abelhas.

A fase 3 de testes ser iniciada aps a aprovao do ministrio e da Anvisa e prev o recrutamento de 150 a 200 pessoas que tiveram mltiplas mordidas de abelhas, atendidas em 32 hospitais pertencentes rede nacional de pesquisa pblica.

Os resultados das pesquisas farmacolgicas com o soro antiaplico sero apresentados por Marcelo Abraho Strauch no Congresso Mundial de Toxinologia, que ser realizado na Argentina, em setembro.

A primeira fase avaliou a segurana do produto, por se tratar de um medicamento novo, e o ajuste de dose. A fase 3 vai observar a garantia da segurana e a eficcia do soro, disse Rui Ferreira Jnior, em entrevista Agncia Brasil.

Caso tudo corra bem na nova fase, a previso que o soro seja disponibilizado para a populao entre 2021 e 2022. Aps os ensaios da fase 3, os resultados sero novamente submetidos Anvisa, para que o registro do produto possa ser efetuado.

Envenenamento txico
Ferreira Jnior esclareceu que o soro antiaplico ser produzido pelo Instituto Vital Brazil, rgo do governo fluminense. De acordo com os pesquisadores, o soro deve ser aplicado em casos de envenenamento txico, isto , quando a pessoa vtima do ataque de um enxame. Para os casos de indivduos alrgicos picados por uma nica abelha, o tratamento especfico e abrange medicamentos comuns.

O antdoto brasileiro indito. Atualmente, h 45 produtores de soros para animais peonhentos no mundo, mas nenhum fabrica o soro para envenenamento txico por abelhas. O Brasil pioneiro, destacou Strauch.

Aps ganhar o registro, a disponibilizao do soro ser gratuita. Hoje, todo tratamento de picada de animal peonhento s tem soro disponvel na rede pblica, disse Marcelo Strauch.

No Rio de Janeiro, o polo de atendimento em caso de picadas de animais peonhentos, como cobras, escorpies e abelhas, encontrado no Hospital Municipal Loureno Jorge, na Barra da Tijuca, zona oeste da capital. J o soro para mltiplas picadas de abelhas tambm dever ficar disponvel no Hospital Universitrio Antonio Pedro, da Universidade Federal Fluminense (UFF), localizado em Niteri, regio metropolitana do Rio.

Rui Ferreira Jnior lembrou que as pesquisas contaram com a colaborao do Laboratrio de Farmacologia das Toxinas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que realizou testes farmacolgicos paralelos para avaliao do soro j produzido.

Acidentes
Segundo Strauch, a abelha faz parte do grupo dos animais peonhentos, que se caracterizam por possurem glndulas que produzem e secretam veneno.

Picadas mltiplas de dezenas ou centenas de abelhas podem gerar intoxicao. H casos de choque anafiltico que podem levar o paciente morte. A letalidade alta por um ataque de mltiplas abelhas por causa da quantidade de veneno que o paciente recebe e no tem o antdoto.

A estimativa que ocorram cerca de 10 mil acidentes com picadas de abelhas por ano no Brasil. Marcelo Strauch avaliou que o nmero pode ser muito maior, tendo em vista as subnotificaes. O pesquisador afirmou que os acidentes por enxames de abelhas resultam em 40 bitos notificados anualmente no Brasil.

O projeto contou ainda com apoio do Ministrio da Sade, da Fundao de Amparo Pesquisa do Estado de So Paulo (Fapesp), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico (CNPq) e da Fundao de Amparo Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).
MAIS LIDAS
� vedada a transcri��o de qualquer material parcial ou integral sem autoriza��o pr�via da dire��o
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugest�o de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com