Risco de morte por febre amarela pode ser identificado mais cedo - regiaonoroeste.com
Domingo, 03 de Dezembro de 2023

Risco de morte por febre amarela pode ser identificado mais cedo

29/07/2019 as 13:00 | Brasil | Da Redaao
Pesquisa desenvolvida pela Universidade de So Paulo (USP) e Instituto Emlio Ribas identificou quatro fatores que indicam risco de morte em pacientes com febre amarela.

Idade avanada, contagem de neutrfilos elevados (clulas sanguneas que fazem parte do sistema imune inato), aumento da enzima heptica AST e maior carga viral so os marcadores que apontam o risco de uma evoluo grave da doena. O estudo destaca que, de cada 100 pessoas que so picadas por mosquitos infectados com o vrus da febre amarela, 10% desenvolvero sintomas da doena, e 30% podem morrer.

O que mais nos deixava perplexos que a maioria dos pacientes chegava bem, apenas se queixando de mal-estar, dor pelo corpo e febre, e, dias depois, alguns deles morriam. uma doena de evoluo muito rpida. Era um desafio determinar, na entrada do paciente, qual seria aquele que evoluiria muito mal da doena e qual seria aquele que teria uma evoluo mais favorvel. Foi isso que a gente abordou nesse trabalho, explicou Esper Georges Kalls, professor do Departamento de Molstias Infecciosas e Parasitrias da Faculdade de Medicina da USP.

Outros 19 pesquisadores, apoiados pela Fundao de Amparo Pesquisa do Estado de So Paulo (Fapesp), assinam o estudo, publicado na revista cientfica Lancet.

Kalls aponta que amostras para anlises foram coletadas em pacientes durante o surto de febre amarela em So Paulo no ano passado.

De acordo com a Secretaria Estadual de Sade, em 2019, at 3 de junho, foram registrados 66 casos autctones de febre amarela silvestre no estado e 12 deles evoluram para morte.

Em 2018, foram confirmados 504 casos autctones em vrias regies do estado, dos quais 176 resultaram em morte. Tambm houve 261 epizootias (morte ou adoecimento de primatas no humanos).

Entre 11 de janeiro e 10 de maio de 2018, 118 pacientes com suspeita de febre amarela foram internados no Hospital das Clnicas e outros 113 no Emlio Ribas.

Diagnstico
Aps a confirmao do diagnstico, o estudo se concentrou em 76 pacientes (68 homens e 8 mulheres). Dos 76 pacientes, 27 (36%) morreram durante o perodo de 60 dias aps a internao hospitalar.

Onze pacientes com contagem de neutrfilos igual ou superior a 4.000 clulas/ml e carga viral igual ou superior a 5.1 log10 cpias/ml (ou seja, aproximadamente 125 mil cpias do vrus por mililitro de sangue) morreram, em comparao com trs mortes entre os 27 pacientes com contagens de neutrfilos menor que 4.000 clulas/ml e cargas virais de menos de 5.1 log10 cpias/ml (menos de 125 mil cpias/ml).

Os pesquisadores puderam constatar tambm que a colorao amarelada na pele dos doentes, caracterstica conhecida da doena, no um marcador de severidade no momento da entrada do paciente no hospital.

A colorao amarelada, consequncia da destruio das clulas do fgado pelo vrus, s aparece em casos em piora avanada. Em nosso estudo, nenhum dos pacientes que veio a bito chegou no hospital ostentando colorao amarelada, disse Kalls.

Para identificar trs dos marcadores, excluindo a idade, so necessrios exames em laboratrio. De acordo com o professor, o que mede a quantidade de neutrfilos e o aumento da enzina heptica so exames simples com resultado em, no mximo, uma hora.

O mais difcil a carga viral do vrus da febre amarela que um ensaio experimental. Ele foi desenvolvido para esse estudo, e no popularizado. No est disponvel em laboratrios de anlise clnicas habitualmente, explicou. Ele avalia que a disponibilidade do exame auxiliaria no s na identificao do marcador, mas no prprio diagnstico.

Em casos de novos surtos de febre amarela, os resultados encontrados no estudo permitem agora que os mdicos faam uma triagem de pacientes nos momentos de entrada nos servios de sade, identificando aqueles que potencialmente podem evoluir para casos mais severos. Assim, possvel antecipar internaes nas unidades de terapia intensiva, aumentando as chances de sobrevivncia.

Massa crtica
Estamos criando uma massa crtica de informaes que vai ajudar o mdico na hora que avaliar o paciente, inicialmente quem vai melhor, quem vai pior e otimizar a disponibilizao de recursos no hospital. Evidente que auxilia a melhorar a assistncia a sade dessas pessoas, disse o pesquisador.

Outra consequncia da descoberta a hiptese de que remdios antivirais podem auxiliar no tratamento da febre amarela.

Pela primeira vez descrita a associao da quantidade de vrus [carga viral] com doena pior, disse Kalls.

Segundo o pesquisador, outros projetos j avaliam medicaes que poderiam ser usadas neste caso.

Se chega um paciente com febre amarela bem no comeo, ser que se a gente der um remdio antiviral no corta a multiplicao do vrus e melhora o prognstico dessa pessoa? J que a quantidade de vrus um fator, isso tem o potencial de mudar a histria de sobrevivncia na febre amarela se a gente achar um remdio que for eficaz, finalizou.
MAIS LIDAS
� vedada a transcri��o de qualquer material parcial ou integral sem autoriza��o pr�via da dire��o
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugest�o de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com