Fake news sobre vacinas buscam gerar medo, dvidas e lucro - regiaonoroeste.com
Sexta, 29 de Setembro de 2023

Fake news sobre vacinas buscam gerar medo, dvidas e lucro

18/09/2023 as 10:00 | Brasil | Agncia Brasil
Em meio pandemia de covid-19, a Organizao Mundial da Sade (OMS) alertou que o mundo entrou em uma outra emergncia de sade pblica: a infodemia. Com o excesso de informaes publicadas por todo tipo de fonte na internet, essa crise torna difcil encontrar fontes idneas e orientaes confiveis quando se precisa. A OMS ressaltou, na poca, que esse fenmeno amplificado pelas redes sociais e se alastra mais rapidamente, como um vrus, afetando profundamente todos os aspectos da vida.

Nesse caldeiro de contedo, grande parte do que circula dito sem respaldo em evidncias cientficas e com interesses comerciais e polticos, alerta a diretora da Sociedade Brasileira de Imunizaes (SBIm) Isabela Ballalai. Desde a pandemia de covid-19, o foco dos grupos que disseminam desinformao em sade tem sido as vacinas, o que impacta os esforos para elevar as coberturas do Programa Nacional de Imunizaes (PNI), que completa 50 anos nesta segunda-feira (18).

Logo depois de anunciar a pandemia de covid-19, a OMS anunciou a infodemia. Ainda vivemos isso e vai ser difcil sair dela, lamenta a mdica.

Por trs disso, existe uma estrutura, um negcio que gera dinheiro para quem faz. Discordar faz parte, e a cincia precisa de concordncias e discordncias. assim que ela evolui. Mas a cincia precisa se prender a evidncias cientficas. O mdico tem a obrigao de dar sua recomendao baseada em evidncias.

Quando essa campanha de desinformao combinada a uma baixa percepo de risco das doenas prevenidas pelas vacinas, a diretora da SBIm explica que a hesitao vacinal ganha fora, mesmo entre profissionais de sade. Mdicos e enfermeiros, assim como toda a populao, esto sujeitos ao bombardeio de informao na internet, e muitas das doenas prevenidas pelos imunizantes se tornaram raras ou controladas justamente pelo sucesso da vacinao.

A maioria que ouve essas informaes fica na dvida. E, na dvida, prefere no arriscar na recomendao. E o mdico muitas vezes est ouvindo de um colega que ele conhece, porque muitas vezes os mdicos chamados [para espalhar desinformao] so mdicos conhecidos, ou at um mdico que foi professor dele. Ento, ele acredita.

Linguagem apelativa
A desinformao sobre vacinas muitas vezes alarmante, descreve a diretora da SBIm, e traz um tom exaltado tanto no contedo quanto na forma de apresent-lo, com letras garrafais e coloridas, por exemplo. Esses contedos tambm se aproveitam de vdeos e fotos de adultos e crianas para inventarem histrias sobre situaes que no aconteceram ou no esto relacionadas vacinao.

Toda vez que receber um post nas mdias de um mdico renomado, de uma universidade conhecida, que fala coisas como vacina mata, esto escondendo da gente, coisas sempre muito alarmantes, desconfie. Ns, mdicos, no falamos assim, no fazemos terrorismo, descreve ela, que ressalta que, s vezes, difcil para o pblico contestar as informaes, que so apresentadas de maneira confusa, assustadora e at acompanhadas de supostas evidncias. Infelizmente, para voc validar ou no uma comunicao dessa, voc pode ter trabalho. Pode ter um artigo cientfico que conclui uma coisa completamente diferente de tudo que a cincia est dizendo, e voc entra nele e est em uma revista. Mas que revista essa?

Ameaa democracia
A circulao dessas informaes j havia sido detectada pela prpria Sociedade Brasileira de Imunizaes, em pesquisa divulgada em 2019. Dez afirmaes falsas recorrentes sobre vacinas foram apresentadas a mais de 2 mil entrevistados nas cinco regies do Brasil, e mais de dois teros (67%) deles disseram que ao menos uma das informaes era verdadeira. O cenrio se agravou muito com a pandemia de covid-19 e o uso das redes sociais contra diversas instituies democrticas, como a Justia, o sistema eleitoral, a imprensa e o prprio PNI.

Nesse contexto, autoridades como o ento presidente Jair Bolsonaro defenderam tratamentos ineficazes contra a covid-19, como o que chamou de kit covid, e atacaram medidas preventivas, como o distanciamento social, alm de promover desconfiana em relao s vacinas contra a doena.

Esses ataques comearam ainda no desenvolvimento das vacinas, como quando o ento presidente compartilhou nas redes que a suspenso dos testes da CoronaVac era "mais uma que Jair Bolsonaro ganhava", aps a morte de um dos voluntrios. Posteriormente, ficou comprovado que o bito no teve relao com o imunizante. "Morte, invalidez, anomalia. Esta a vacina que o [ex-governador de So Paulo Joo] Doria queria obrigar a todos os paulistanos tom-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatria. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha", escreveu em resposta a um seguidor, em novembro de 2020.

O coordenador do PNI, Eder Gatti, conta que o combate desinformao em sade tem sido o primeiro passo de uma ao sistemtica do governo federal para combater esse problema em todas as reas. Gatti afirma que o ataque confiana nas vacinas acontece de forma sistemtica e organizada e acaba levando as pessoas a terem medo de se vacinar ou desconfiarem das vacinas.

Esse um mal recente e relativamente pequeno no Brasil, comeou agora com a pandemia, mas j causa efeitos srios nas coberturas vacinais no Brasil e algo para a gente se preocupar, alerta.

A desinformao algo que ameaa a nossa democracia, mais ampla que a sade, e a ao de combate desinformao est na sade de forma piloto, inclusive para agir no ataque desinformao de forma sistemtica. Temos um programa estruturado que tem sido testado no sentido de identificar aes que disseminem informao e tambm de forma a conter o efeito.

Mercado perverso
Presidente do Instituto Questo de Cincia, a microbiologista e escritora Natalia Pasternak recomenda que o pblico tenha muito cuidado com postagens, vdeos e notcias que busquem causar medo ou ansiedade, porque essa uma estratgia usada com frequncia na desinformao.

A informao falsa feita para emocionar, para deixar a pessoa com raiva, com medo, com vontade de compartilhar e mostrar para todo mundo. Quando voc ver uma notcia dessas, com esse sensacionalismo, que foi construda para gerar medo e aterrorizar, desconfie. Esse tipo de notcia tem grandes chances de ser uma propaganda, uma notcia fabricada para enganar, e existe um mercado perverso que movimenta essas notcias e quer deixar as pessoas com medo, para vender produtos e servios, denuncia. Tem gente vendendo reverso vacinal, produtos que detoxificam das vacinas e produtos associados, como livros, newsletter e estilo de vida para no precisar se vacinar. um mercado que vende desinformao para empurrar remdios, produtos e servios desnecessrios e at perigosos. So pessoas que j esto acostumadas a operar esse mercado perverso de desinformao em sade e que mudaram o foco depois da pandemia, porque o foco estava nas vacinas.

Alm disso, ela alerta que preciso desconfiar de informaes suspeitas sobre sade mesmo que elas venham de pessoas prximas que demonstrem ter boas intenes e preocupao em alertar sobre elas.

Desconfie e acolha. Em vez de apontar para aquele amigo ou familiar e dizer que um antivacinista, pergunte onde ouviu, quem falou e por que acha isso. Pergunte se checou e se oferea checar juntos. preciso lembrar que essas pessoas so vtimas dessa mquina de desinformao. No so essas pessoas que esto lucrando, elas esto sendo enganadas. preciso ouvi-las com cuidado e tentar orientar da melhor maneira possvel.

Interesses polticos
A ao coordenada dos antivacinistas para prejudicar o Movimento Nacional pela Vacinao lanado em fevereiro pelo Ministrio da Sade foi mapeada pelo Laboratrio de Estudos de Internet e Mdias Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (NetLab/UFRJ). Somente no antigo Twitter, o NetLab conseguiu identificar um grupo de 36 mil perfis que retuitaram mais de 100 mil publicaes com contedo antivacina aps o lanamento. Tal articulao acabou sendo mais intensa que a dos 41 mil perfis que fizeram 79 mil retutes a favor da vacinao.

O NetLab explicou Agncia Brasil na poca, que, em diversos momentos, a pauta poltica do pas um gatilho para campanhas de desinformao, e o movimento pela vacinao foi um episdio emblemtico. Isso ficou claro quando o presidente Luiz Incio Lula da Silva se vacinou na campanha, e a extrema direita ativou uma articulao muito intensa em que vrias narrativas so acionadas em diferentes plataformas, tentando trazer dvidas sobre o quo seguras as vacinas so.

Coordenador de projetos e pesquisador assistente no NetLab UFRJ, Carlos Eduardo Barros contextualiza que a desinformao sobre vacinas nos ltimos anos est intimamente relacionada a interesses econmicos e polticos. O pesquisador explica que, quando se fala em desinformao, no se trata de erros que todos esto sujeitos a cometer ao se comunicar, mas de uma estrutura de propaganda que realmente opera com o objetivo de causar engano e confuso, oferecendo uma alternativa que lucrativa para seus financiadores.

Por isso, quando tivemos o auge da covid-19 no Brasil, por exemplo, antes de aumentar o nmero de pessoas contaminadas, aumentaram os lucros de venda dos supostos tratamentos precoces prometendo curas milagrosas que a mdia estaria escondendo, afirma ele, que resgata outro caso emblemtico: A primeira onda de boatos sobre vacinas causarem efeitos absurdos comeou em 1998, quando um cientista publicou uma pesquisa associando a trplice viral com o autismo. Logo descobriam que os dados eram falsos, e ele tinha sido pago por uma empresa farmacutica que se beneficiou com a queda de vendas daquela vacina. Mas a que custo? Estudos sobre esse caso destacam que o papel da mdia na poca, dando espao para o falso cientista mesmo depois da fraude comprovada, acabou espalhando a ideia de perigo das vacinas, e at hoje influencia grupos antivax.

Diante de uma mquina profissional de produzir e espalhar mentiras, at mesmo profissionais de sade podem ser enganados, ressalta o pesquisador, principalmente quando o tema da desinformao no sua especialidade profissional. Ele aponta que estudos no campo da desinformao sobre cincia mostram que pessoas com alto nvel de especializao so igualmente suscetveis a acreditar em uma informao falsa sobre outra rea que elas desconhecem, e podem ser ainda mais difceis de aceitar que foram enganadas.

Alm disso, dificilmente um profissional que no seja pesquisador ter tempo para se atualizar na mesma velocidade das descobertas cientficas e a cincia tambm no um corpo imvel de conhecimento, ela muda o tempo todo conforme aprendemos novas coisas, afirma. Essa a importncia das instituies como o Ministrio da Sade e a OMS. E por isso tambm perigoso quando uma figura de autoridade, seja cientista, jornalista ou poltico famoso, difunde uma ideia mentirosa. Porque a partir dessa pessoa provvel que muitos, at bem intencionados, sejam influenciados e at reproduzam discursos similares.
MAIS LIDAS
� vedada a transcri��o de qualquer material parcial ou integral sem autoriza��o pr�via da dire��o
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugest�o de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com