Segunda, 04 de Marco de 2024

O Capitão vai voltar em 2026?

14/03/2023 as 06:36 | Brasil | Valdecir Cremon
Foi-se o tempo em que a imprensa publicava apenas fatos, e se comentava algum deles, era com base nos mesmos e com conhecimento/autoridade para fazê-lo. Infelizmente, Ênio Pesce, José Paulo de Andrade, Joelmir Beting e Hitler Fet, entre outros, não estão mais por aqui.

Não sei exatamente, mas desde que a internet tornou-se parte do corpo das pessoas e ferramenta única de pesquisa/apuração de jornalistas, o chutômetro, a especulação, a lacração e o cancelamento de reputações tornaram-se práticas, regras que se aplicam a qualquer caso, sendo fato ou não.

A ida de Jair Messias Bolsonaro aos Estados Unidos, mesmo antes do fim de seu mandato, para, claramente, não entregar o Brasil ao seu sucessor, é pauta permanente na imprensa que não faz outra coisa senão lacrar.

A possibilidade do ex-presidente ser candidato nas eleições de 2026 atormenta não apenas partidos de esquerda, que se esforçam para tentar impedir que Bolsonaro seja candidato, mas tira o sono de jornalistas que não seguem nem um pouco as métricas que nortearam carreiras brilhantes, como a de Pesce, José Paulo, Joelmir e Hitler Fet.

Abro dezenas de sites todos os dias em busca do que mais de mais importante o Brasil fala, comenta, se interessa. E, invariavelmente, especulações e tentativas de lacração contra o ex-presidente e sua família ocupam a maioria dos espaços da imprensa militante de esquerda.

O caso das jóias presenteados ao governo federal pela Arábia Saudita e a reunião de conservadores com a presença de Bolsonaro e de Donald Trump, nos Estados Unidos, ocupam espaços da imprensa onde deveriam estar os “feitos” do governo atual. Mas não. A blindagem descarada ao sucessor de Bolsonaro é mais forte e seus “feitos” têm menor destaque até mesmo entre aqueles que já se arrependeram de fazer o L.

Evidente que o caso das jóias deve ser investigado - não julgado sem que o acusado e demais envolvidos possam ser ouvidos.

Evidente que uma reunião que tenha dois ex-presidentes de grandes países, como EUA e Brasil, deve ser avaliada - nunca apenas pelo viés esquerdista/comunista que domina a imprensa.

Também é evidente que a relação/ligações do sucessor de Bolsonaro com ditaduras, a insinuação/projeto de liberar o aborto pago pelo SUS ou de descriminilizar as drogas deveriam ter espaços consideráveis nos jornais, emissoras de TV, rádios e sites em geral.

Mas, o que se vê? Eu respondo: uma campanha antecipada, um esquema que, novamente, envolve Poder Judiciário, TSE e o Congresso Nacional para impedir que Bolsonaro mantenha o apreço que conquistou entre o povo.

Se ele será candidato em 2026 ou não ainda não se sabe com exatidão. Têm-se apenas pistas. E se o for, será por direito exatamente como qualquer outro brasileiro possui. Para o desespero de quem precisou de “forças extras” para superar a popularidade do ex-presidente fora das urnas.

Valdecir Cremon é jornalista e professor universitário
MAIS LIDAS
É vedada a transcrição de qualquer material parcial ou integral sem autorização prévia da direção
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugestões de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com