Polcia conclui que dez pessoas foram mortas por causa de chcara - regiaonoroeste.com
Terca, 21 de Marco de 2023

Polcia conclui que dez pessoas foram mortas por causa de chcara

27/01/2023 as 15:59 | Brasil | Agncia Brasil
A Polcia Civil concluiu que quatro dos rus acusados de assassinar as dez pessoas de uma mesma famlia do Distrito Federal praticaram os crimes com a inteno de se apossar de uma chcara avaliada em cerca de R$ 2 milhes.

Segundo o delegado Ricardo Viana, responsvel pelas investigaes da maior chacina em nmero de vtimas da histria do Distrito Federal, Gideon Batista de Menezes, 55 anos; Horcio Carlos Ferreira Barbosa, 49; Fabrcio Silva Canhedo, 34; e Carlomam dos Santos Nogueira, 26, planejavam tomar posse do terreno, vend-lo e dividir entre si o dinheiro obtido.

Localizada em um condomnio do Itapo, uma das regies administrativas do Distrito Federal, distante pouco mais de 20 quilmetros do centro de Braslia, a chcara pertencia a uma das vtimas, Marcos Antnio Lopes, que morava no imvel junto com sua esposa, Renata Juliene Belchior, e a filha do casal, Gabriela Belchior.

Alm de Gabriela, Marcos Antnio e Renata tinham outro filho, Thiago Belchior, 30. Ele era casado com a cabeleireira Elizamar da Silva, com quem teve trs filhos: Gabriel da Silva, 7, e Rafael da Silva e Rafaela da Silva, ambos com seis anos.

Segundo o delegado, os rus mataram Renata, Gabriela, Thiago, Elizamar, Gabriel, Rafael e Rafaela para que estes no herdassem a chcara aps o assassinato de Marcos Antnio. Ainda de acordo com Ricardo Viana, o grupo matou a ex-esposa de Marcos Antnio, Cludia Regina Marques de Oliveira, 55, e a filha que os dois tiveram juntos, Ana Beatriz Marques de Oliveira, 19, pelo mesmo motivo.

Ao longo das investigaes, os policiais civis que atuam para esclarecer o caso descobriram que dois dos rus, Horcio e Gideon, no s trabalhavam para Marcos Antnio, como viviam na chcara que, segundo o delegado, despertou a cobia dos dois.

H cerca de trs meses, Horcio alugou uma casa em Planaltina, outra regio administrativa do Distrito Federal, com a inteno de us-la como cativeiro. Em 28 de dezembro, Horcio e Gideon facilitaram a entrada de Carloman na chcara do Itapo. Armado e acompanhado por um adolescente de 17 anos cujo nome a Polcia Civil no divulgou, Carloman rendeu parte da famlia de Marcos Antnio, que, segundo os rus, reagiu e, por isso, foi morto no prprio local. Renata e Gabriela foram, ento, levadas para a casa alugada para servir de cativeiro, em Planaltina.

Na sequncia, os rus sequestraram a ex-esposa de Marcos Antnio, Cludia Regina, e sua filha, Ana Beatriz. O filho de Marcos Antnio, Thiago Gabriel, bem como sua esposa, Elizamar e os trs filhos do casal foram os ltimos a serem capturados. Entre as provas que os investigadores reuniram, h um bilhete cujo autor, ainda no reconhecido, pede que Thiago v chcara do pai com urgncia, levando toda sua famlia.

As nove vtimas sequestradas foram mantidas em cativeiro por dias, sob a vigilncia de Fabrcio Silva Canhedo. Alm de forar as vtimas a fornecer dados pessoais, incluindo contas bancrias e nmeros e senhas de cartes de crdito, os rus so acusados de se apropriar de parte dos R$ 200 mil que a ex-esposa de Marcos Antnio, Cludia Regina, recebeu pela venda de uma casa.

As nove vtimas sequestradas foram assassinadas. Seus corpos foram encontrados dias depois, em diferentes pontos do Distrito Federal alguns, carbonizados, estavam em dois carros incendiados. J o corpo de Marco Antnio foi encontrado esquartejado, no terreno da casa que serviu de cativeiro.

Um quinto homem, Carlos Henrique Alves da Silva, o Galego, suspeito de ter participado destas mortes. J o adolescente que participou da fase inicial do crime, durante a qual Marcos Antnio foi morto com um tiro na nuca, deixou o local e abandonou os demais criminosos segundo ele disse aos investigadores, por julgar a ao do grupo violenta demais.

Os quatro principais rus no caso (Carlomam, Fabrcio, Gideon e Horcio) respondero pelos crimes de homicdio qualificado; latrocnio (roubo que resulta em morte); ocultao de cadver; extorso mediante sequestro; associao criminosa qualificada e corrupo de menor.
MAIS LIDAS
� vedada a transcri��o de qualquer material parcial ou integral sem autoriza��o pr�via da dire��o
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugest�o de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com