Quarta, 28 de Outubro de 2020

Mãe é presa após enterrar corpo de recém-nascido em quintal

19/09/2020 as 11:36 | Brasil | G1
A Polícia Civil prendeu uma mulher de 40 anos e o genro dela, de 26, suspeitos de esconderem o corpo de um recém-nascido, em Goiânia. Um vídeo registra quando a equipe do Conselho Tutelar encontra o bebê dentro de um saco de lixo enterrado no quintal da casa da família.

A corporação investiga se a presa, que é a mãe da vítima, sofreu um aborto ou se ela e o parente causaram a morte do bebê.

O G1 tenta descobrir quem representa os investigados para pedir um posicionamento sobre o caso, mas não havia conseguido identificá-los até a publicação desta reportagem. Até a manhã desta sexta-feira (18), a mulher e o genro continuavam presos e devem passar por audiência de custódia.

O Conselho Tutelar da capital recebeu a denúncia anônima de uma situação estranha na casa por telefone, na quinta-feira (17). Segundo o órgão, uma pessoa ligou e contou ter ouvido na residência barulhos de uma mulher em trabalho de parto, choro de bebê e, em seguida, uma conversa sobre esconder o corpo do recém-nascido.

A conselheira Oneide Gomes Rodrigues contou que, quando a equipe chegou à casa da mulher e encontrou o local onde o recém-nascido fora enterrado, ainda tinha esperança de que o bebê pudesse estar vivo.

“O motorista pega com maior cuidado para tirar o saco preto do buraco para que a criança não venha a se machucar. Na hora que eu vi, nem eu mesma acreditei. A gente, como mãe, pensa que ainda vai estar vivo, ainda vai estar bem. Mas, infelizmente, não foi isso que a gente achou”, contou, emocionada.

Também de acordo com a conselheira, a mulher negou, à princípio, estar grávida, ter dado à luz de forma prematura - que as investigações apontam que ela estaria no sétimo mês de gestação - ou ter sofrido um aborto.

No entanto, depois que o corpo do neném foi encontrado, Oneide voltou a conversar com a mulher. Foi quando ela disse ter perdido a criança em um aborto espontâneo.

Investigação
A delegada Ana Elisa Gomes, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), está responsável pelo caso. Segundo ela, a equipe que foi à casa encontrou sangue em algumas partes da residência e em sacos de lixo.

Agora, de acordo com a delegada, a corporação vai investigar o que realmente aconteceu com a criança após o nascimento para avaliar se a mulher e o genro devem responder por algum outro crime.

“Existem outras implicações nesse caso. A gente precisa da conclusão dos laudos periciais, principalmente do laudo cadavérico do corpinho do bebê, porque se o bebê estava vivo e eles fizeram algo para matá-lo, a gente tem um possível crime de infanticídio ou homicídio - além da ocultação de cadáver, que é o crime pelo qual eles já foram autuados”, esclareceu.
MAIS LIDAS
É vedada a transcrição de qualquer material parcial ou integral sem autorização prévia da direção
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugestão de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com