Grupo desenvolve teste de diagnstico de COVID-19 pela saliva - regiaonoroeste.com
Domingo, 03 de Dezembro de 2023

Grupo desenvolve teste de diagnstico de COVID-19 pela saliva

29/08/2020 as 00:00 | Estado de So Paulo | Da Redaao
Integrantes do Centro de Estudos do Genoma Humano e de Clulas-Tronco (CEGH-CEL) esto prestes a concluir o desenvolvimento de um teste capaz de diagnosticar a COVID-19 pela saliva. O novo exame poder custar um quarto do valor do teste de RT-PCR, considerado o padro-ouro para o diagnstico da doena e realizado hoje por laboratrios no Brasil a um custo que varia entre R$ 350 e R$ 400.

Vinculado ao Instituto de Biocincias da Universidade de So Paulo (IB-USP), o CEGH-CEL um dos Centros de Pesquisa, Inovao e Difuso (CEPIDs) financiados pela Fundao de Amparo Pesquisa do Estado de So Paulo (Fapesp).

Assim como o exame pelo mtodo RT-PCR, o teste alternativo ser usado para detectar o vrus durante a infeco, diz Maria Rita Passos-Bueno, pesquisadora do CEGH-CEL e coordenadora do projeto, Agncia Fapesp.

O mtodo ser similar aos j desenvolvidos no Brasil e em outros pases com o objetivo de aumentar a disponibilidade e a rapidez e diminuir os custos para realizao de testes moleculares por meio de simplificaes dos processos.

Nos Estados Unidos, por exemplo, a Food and Drug Administration (FDA) agncia reguladora de alimentos e frmacos j concedeu autorizao de uso emergencial para cinco testes de diagnstico de COVID-19 baseados em saliva. A ltima foi para um teste chamado SalivaDirect, desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Yale.

No Brasil, o laboratrio de genmica Mendelics criou e j comercializa um teste similar, e pesquisadores da Universidade Federal de Gois esto desenvolvendo um kit de diagnstico na mesma linha.

Mtodo mais simples

Os novos testes so baseados em uma tcnica molecular amplamente utilizada para o diagnstico de doenas infecciosas, como dengue, chikungunya, hepatite A e zika, chamada RT-LAMP (sigla em ingls de transcrio reversa seguida por amplificao isotrmica mediada por ala).

A tcnica molecular tem algumas semelhanas com o mtodo RT-PCR, que utiliza como amostras para realizao dos testes secrees do fundo da garganta e do nariz. Em ambas as tcnicas so induzidas reaes para a realizao de uma fase de transcrio reversa (RT), na qual o RNA do vrus transformado em DNA, e uma fase de amplificao, em que regies especficas do vrus so replicadas milhes de vezes para que o patgeno possa ser identificado.

Porm, o RT-LAMP no requer a extrao do RNA do vrus para ser detectado, o que feito no RT-PCR por meio de reagentes importados, que so caros e frequentemente escassos no mercado, dependendo da demanda. Alm disso, o RT-LAMP dispensa o uso de aparelhos laboratoriais complexos, como o termociclador em tempo real, utilizado para amplificar e detectar o RNA por meio da exposio do material a diferentes temperaturas.

Alm de a amplificao do material viral ser feita em uma nica etapa, sem a necessidade de extrao do RNA, o RT-LAMP tambm permite que esse processo ocorra sob temperatura fixa de 65 C, por exemplo, por meio de equipamentos simples, como um recipiente em banho-maria. Isso tambm contribui para simplificar o processo e diminuir o tempo para sair o resultado, afirma Passos-Bueno.

Custo

Pelo RT-LAMP, a eliminao da etapa de extrao do RNA a mais demorada e complexa permite no s reduzir o tempo, mas tambm o custo do teste, explica a pesquisadora.

A etapa de extrao do RNA no teste de RT-PCR pode levar de uma a cinco horas, dependendo do sistema utilizado. A eliminao dessa etapa permite uma reduo de 30% no valor final do teste de RT-LAMP, diz.

A eliminao da etapa de extrao do RNA pelo teste de RT-LAMP possvel pelo rompimento do capsdeo do vrus por aquecimento e adio de uma soluo desenvolvida pelo grupo, que estabiliza o vrus para os processos de converso do RNA viral em DNA e para a amplificao do material gentico do vrus para facilitar a deteco dele em saliva.

Todo esse processo ocorre em temperatura constante, em um mtodo chamado amplificao isotrmica medida por loop (LAMP, na sigla em ingls). As enzimas necessrias para a realizao desse processo, contudo, so importadas e representam o seu maior custo. Um grupo de pesquisadores do Instituto de Qumica da USP, liderado pelo professor Shaker Chuck Farah, contudo, desenvolveu essas enzimas em laboratrio.

Conseguimos ter a produo nacional dessas enzimas, que so os principais insumos do teste. Isso possibilitar diminuir ainda mais os custos, afirma Passos-Bueno.

Padronizao

Os pesquisadores pretendem, agora, avanar na etapa de padronizao do teste, por meio da utilizao de solues qumicas que permitam manter o RNA do vrus estvel por um longo tempo, de modo que no sofra a ao de enzimas presentes na saliva.

A saliva possui uma srie de substncias que podem inibir a ao das enzimas, degradar o prprio material do vrus e interferir na reao de amplificao. Por isso, estamos desenvolvendo tampes que permitam padronizar as condies de manuteno da saliva e do RNA do vrus para realizar o teste de forma a diminuir o risco de resultados falso-negativos, explica Passos-Bueno.

O exame tem apresentado especificidade para deteco do novo coronavrus de 100%, equivalente ao de testes convencionais. Os pesquisadores pretendem, agora, aumentar ainda mais a sensibilidade de modo que seja capaz de detectar o vrus em um nmero muito baixo de cpias na saliva.

O teste j est com boa sensibilidade, com a capacidade de detectar at 10 cpias de vrus por reao em amostras de saliva, afirmou a pesquisadora.

Autocoleta

O sistema prev a autocoleta pelo paciente e permitir, de forma indolor e no invasiva, o recolhimento da saliva em um tubo de ensaio. Com isso, diminui-se o risco de contgio, j que no ser mais necessria a atuao de um profissional de sade paramentado e treinado para a retirada de amostras de nasofaringe, como ocorre no exame de RT-PCR. Alm disso, o uso da saliva dispensa o uso de swabs cotonetes longos para a testagem.

A previso que o resultado fique disponvel entre 30 e 40 minutos. O resultado pode ser enxergado praticamente a olho nu, porque o tubo contendo a amostra de saliva muda de cor de acordo com a presena ou no do vrus. O resultado negativo aparece na cor rosa e o positivo em amarelo, diz Passos-Bueno.

Um dos objetivos do projeto oferecer o teste em localidades com pouca infraestrutura para coleta e anlise, por meio da incluso dos laboratrios de referncia das universidades para ampliar a capacidade de testagem no pas.
MAIS LIDAS
� vedada a transcri��o de qualquer material parcial ou integral sem autoriza��o pr�via da dire��o
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugest�o de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com