Empresa desenvolve tecido capaz de eliminar Covid por contato - regiaonoroeste.com
Terca, 27 de Fevereiro de 2024

Empresa desenvolve tecido capaz de eliminar Covid por contato

17/06/2020 as 12:30 | Estado de So Paulo | Da Redaao
Pesquisadores da empresa paulista Nanox, apoiada pelo Programa Fapesp Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe), desenvolveram um tecido com micropartculas de prata na superfcie que demonstrou ser capaz de inativar o novo coronavrus (SARS-CoV-2).

Em testes de laboratrio, o material foi capaz de eliminar 99,9% da quantidade do vrus aps dois minutos de contato. O desenvolvimento do material teve a colaborao de pesquisadores do Instituto de Cincias Biomdicas (ICB) da Universidade de So Paulo (USP), da Universitat Jaume I, da Espanha, e do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF) um dos Centros de Pesquisa, Inovao e Difuso (CEPIDs) apoiados pela Fundao de Amparo Pesquisa do Estado de So Paulo (Fapesp).

J entramos com o pedido de depsito de patente da tecnologia e temos parcerias com duas tecelagens no Brasil que iro utiliz-la para a fabricao de mscaras de proteo e roupas hospitalares, diz Agncia Fapesp Luiz Gustavo Pagotto Simes, diretor da Nanox.

O tecido composto por uma mistura de polister e de algodo (polycotton) e contm dois tipos de micropartculas de prata impregnadas na superfcie por meio de um processo de imerso, seguido de secagem e fixao, chamado pad-dry-cure.

A Nanox j fornecia para indstrias txteis e de diversos outros segmentos essas micropartculas, que apresentam atividade antibacteriana e fungicida, e em tecidos evitam a proliferao de fungos e bactrias causadoras de maus odores.

Ensaios

Com o surgimento do novo coronavrus e a chegada da pandemia no Brasil, os pesquisadores da empresa tiveram a ideia de avaliar se esses materiais tambm eram capazes de inativar o SARS-CoV-2, uma vez que j havia sido demonstrado em trabalhos cientficos a ao contra alguns tipos de vrus.

Para realizar os ensaios, a empresa se associou a pesquisadores do ICB-USP, que conseguiram logo no incio da epidemia no Brasil isolar e cultivar em laboratrio o SARS-CoV-2 obtido dos dois primeiros pacientes brasileiros diagnosticados com a doena no Hospital Israelita Albert Einstein.

Amostras de tecido com e sem micropartculas de prata incorporadas na superfcie foram caracterizadas por pesquisadores da Universitat Jaume I e do CDMF por espectroscopia e colocadas em tubos contendo uma soluo com grandes quantidades de SARS-CoV-2, crescidos em clulas.

As amostras foram mantidas em contato direto com os vrus em intervalos de tempo diferentes, de dois e cinco minutos, para avaliar a atividade antiviral.

Os experimentos foram feitos duas vezes, em dois dias diferentes e por dois grupos diferentes de pesquisadores, de modo que a anlise dos resultados fosse feita de forma cega.

Resultados

Os resultados das anlises por quantificao do material gentico viral por PCR indicaram que as amostras de tecido com diferentes micropartculas de prata incorporadas na superfcie inativaram 99,9% das cpias do novo coronavrus presentes nas clulas aps dois e cinco minutos de contato.

A quantidade de vrus que colocamos nos tubos em contato com o tecido muito superior que uma mscara de proteo exposta e, mesmo assim, o material foi capaz de eliminar o vrus com essa eficcia, diz Lucio Freitas Junior, pesquisador do laboratrio de biossegurana de nvel 3 (NB3) do ICB-USP, Agncia Fapesp.

como se uma mscara de proteo feita com o tecido recebesse um balde de partculas contendo o vrus e ficasse encharcada, comparou o pesquisador. Alm de testes para avaliao da atividade antiviral, antimicrobiana e fungicida, o material tambm passou por ensaios para avaliao do potencial alrgico, fotoirritante e fotossensvel, para eliminar o risco de causar problemas dermatolgicos.

Aplicao em outros materiais

A empresa pretende avaliar agora a durao do efeito antiviral das micropartculas no tecido. Em testes relacionados propriedade bactericida, os materiais foram capazes de controlar fungos e bactrias em tecidos mesmo aps 30 lavagens, afirma Simes.

Como o material apresenta essa propriedade bactericida mesmo aps 30 lavagens, provavelmente mantm a atividade antiviral por esse mesmo tempo, estima. De acordo com o pesquisador, as micropartculas podem ser aplicadas em qualquer tecido composto por uma mistura de fibras naturais e sintticas.

Alm de tecidos, a empresa est testando agora a capacidade de inativao do novo coronavrus pelas micropartculas de prata incorporadas superfcie de outros materiais, como filmes plsticos e um polmero flexvel, semelhante a uma borracha, que utilizou para desenvolver uma mscara de proteo contra o novo coronavrus em parceria com a fabricante de brinquedos Elka.

O tecido foi o primeiro resultado da aplicao das micropartculas de prata para inativar o novo coronavrus. Mas, em breve, devemos ter vrios outros, projeta Simes.
MAIS LIDAS
� vedada a transcri��o de qualquer material parcial ou integral sem autoriza��o pr�via da dire��o
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugest�o de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com