Atividade fsica protege sade de crianas com baixo peso - regiaonoroeste.com
Terca, 27 de Fevereiro de 2024

Atividade fsica protege sade de crianas com baixo peso

20/02/2020 as 13:00 | Brasil | Agncia Brasil
Crianas que nascem a termo (aps a 37 semana de gestao) com menos de 2,5 quilogramas (kg) tm risco aumentado de desenvolver doenas cardiovasculares na vida adulta. No entanto, a prtica regular de exerccios fsicos durante a infncia pode melhorar o funcionamento de clulas envolvidas na sade dos vasos sanguneos e atenuar esse risco.
o que mostra estudo publicado no peridico Nutrition, Metabolism & Cardiovascular Diseases. O trabalho foi coordenado por Maria do Carmo Pinho Franco, em uma linha de pesquisa apoiada pela Fundao de Amparo Pesquisa do Estado de So Paulo (Fapesp).

O trabalho foi feito com 35 crianas entre 6 e 11 anos de idade, divididas em dois grupos: nascidas com peso menor do que 2,5kg e maior ou igual a 3kg. Elas foram submetidas a um programa de treinamento de 10 semanas, que inclua sesses de 45 minutos de atividades fsicas ldicas com intensidade de moderada a vigorosa. Os parmetros antropomtricos do grupo (peso, estatura, percentual de gordura e circunferncias corporais) e amostras de sangue foram coletados antes e depois do perodo de treinos.

Ao fim da interveno, notou-se melhora significativa na circunferncia da cintura e na aptido cardiorrespiratria de todas as crianas. Naquelas que nasceram com baixo peso foi possvel perceber ainda melhora na presso arterial, assim como nos nveis circulantes e na funcionalidade das clulas progenitoras endoteliais.

"As clulas progenitoras endoteliais so produzidas pela medula ssea e esto envolvidas em diversos processos vasculares, incluindo a formao de novos vasos sanguneos e o reparo dos j existentes", explicou a pesquisadora.

Programao fetal
No final da dcada de 1980, surgiram as primeiras suspeitas de que crianas nascidas a termo, mas com peso inferior a 2,5kg, tinham maior propenso a doenas cardiovasculares. Esses achados deram origem Hiptese de Programao Fetal, postulada pelo epidemiologista britnico David Barker (1938-2013). O pesquisador observou, no Reino Unido, que nos grupos populacionais mais carentes, as taxas de doena cardiovascular eram duas vezes mais altas que nas regies mais ricas.

Sabe-se hoje que a programao fetal pode ocorrer em resposta a diferentes condies adversas durante a gestao, como deficincias nutricionais, insuficincia placentria e estresse. Esse fenmeno pode ser interpretado como uma tentativa do feto de se adaptar ao ambiente de nutrio restrita, garantindo sua sobrevivncia s custas de modificaes permanentes em suas estruturas e rgos vitais, que persistem durante por toda a vida.

Franco tem se dedicado, desde seu mestrado, ao estudo das repercusses tardias do baixo peso ao nascer. A linha de investigao comeou com modelos animais e, nos ltimos anos, migrou para estudos em populao de crianas com foco nas alteraes tardias no endotlio vascular - a camada que reveste a parede dos vasos sanguneos.

"Nas crianas pr-adolescentes, j possvel notar alteraes na diminuio da vasodilatao de determinadas artrias e alteraes na presso arterial, principalmente um aumento na sistlica [ou presso mxima, que marca a contrao do msculo cardaco quando ele bombeia sangue]", disse Franco. "So detalhes, mas que elevam o risco cardiovascular no futuro, caso no seja feita alguma interveno."

Impacto do exerccio em crianas
No trabalho mais recente, o grupo avaliou como a prtica de atividade fsica afeta o funcionamento das clulas progenitoras endoteliais em crianas com idade entre 6 a 11 anos que frequentam um centro da juventude no municpio de So Paulo.

"Estudos anteriores demonstraram que a capacidade de deslocamento das clulas progenitoras endoteliais da medula ssea para a corrente sangunea, bem como sua capacidade de transformao em clulas endoteliais maduras, podem ser alteradas frente a diferentes estmulos. Dentro desse contexto, o exerccio fsico desempenha papel importante e benfico sobre a mobilizao dessas clulas", disse Franco.

Os pesquisadores observaram que o efeito positivo do treinamento fsico foi mais significativo no grupo de crianas com histrico de baixo peso ao nascer. Alm de aumentar os nveis de clulas progenitoras no sangue, houve aumento nos nveis de xido ntrico [NO] e do fator de crescimento endotelial vascular [VEGF-A] - duas molculas envolvidas nos processos de mobilizao e recrutamento das clulas progenitoras endoteliais", contou a pesquisadora.

Dados da literatura cientfica sugerem que o fenmeno da programao fetal est associado ao que se convencionou chamar de fatores epigenticos, ou seja, a modificaes bioqumicas que ocorrem nas clulas (geralmente em resposta s condies ambientais) e alteram a forma como os genes so expressos - sem que para isso seja necessria uma alterao na sequncia gentica.

A equipe de Franco suspeita que a prtica regular de atividade fsica atue justamente sobre esses mecanismos epigenticos, revertendo o padro prejudicial de expresso gnica induzido pela condio gestacional adversa.

Na avaliao da pesquisadora, os resultados do estudo mostram que uma interveno simples e de baixo custo pode ter impacto decisivo na vida adulta de crianas que nascem com baixo peso.

"Os pais precisam ser orientados para que coloquem os seus filhos para se exercitarem o quanto antes. E o pediatra, por outro lado, deve acompanhar essas crianas com olhos diferentes, realizando exames regulares de perfil lipdico, aferio de presso arterial e outros marcadores cardiovasculares", disse a pesquisadora, que completou: Sabemos que o perfil das crianas mudou bastante, elas so mais sedentrias em virtude das telas e por que no tm mais aquelas brincadeiras de rua. Na pesquisa, foram includas brincadeiras ldicas e com bola, ento so atividades fsicas moderadas que envolvem as crianas.
MAIS LIDAS
� vedada a transcri��o de qualquer material parcial ou integral sem autoriza��o pr�via da dire��o
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugest�o de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com