Quarta, 20 de Junho de 2018
Santos vence e diminui pressão sobre Jair na pausa para a Copa
14/06/2018 as 07:23 | Brasil | Da Redaçao
Fluminense e Santos fizeram nesta quarta-feira, no Maracanã, um confronto de baixíssimo nível técnico e que mostrou bem por que as equipes estão na situação que se encontram no Campeonato Brasileiro.

Sofrendo com desfalques e com problemas dentro e fora do campo, os adversários foram iguais em boa parte dos 90 minutos, com um tempo dominado por cada um deles. Mas, nos minutos finais, pesou a favor do lado santista a qualidade de Bruno Henrique, que marcou o único gol do triunfo por 1 a 0.

O Fluminense chegou ao quinto jogo consecutivo sem vencer - quatro derrotas e um empate - e foi a 14 pontos, no meio da tabela. Já o Santos vinha de apenas uma vitória nos últimos oito jogos da temporada, mas chegou a 13 pontos e garantiu seu lugar fora da zona de rebaixamento na parada para a Copa do Mundo.

Como se a má qualidade do futebol apresentado por ambos não fosse suficiente, as equipes têm sofrido com desfalques e vivem problemas extracampo. No Fluminense, salários atrasados estariam irritando elenco e o técnico Abel Braga, enquanto no Santos, a pressão sobre Jair Ventura é cada vez maior e a diretoria sofre com a indefinição sobre Rodrygo, que deixou a delegação antes da ida ao Rio por causa de sua negociação com o Real Madrid.

Em meio a este furacão, os times entraram exageradamente precavidos em campo. Diante da dificuldade do Fluminense de criar e da postura defensiva do Santos, os primeiros 15 minutos foram extremamente lentos e truncados. O primeiro chute a gol do time carioca saiu aos 19 e parou com tranquilidade nas mãos de Vanderlei. No minuto seguinte, os visitantes chegaram com perigo Jean Mota finalizou com pouco ângulo e Júlio César fez grande defesa.

Aos poucos, o Fluminense cresceu, apostando nos contra-ataques e em Pedro, que diante da ausência de meias saía da área para servir como criador de jogadas. Na jogada mais bem construída, ele recebeu pelo meio e abriu com Pablo Dyego, que foi travado quando finalizaria de frente para Vanderlei.

Outra tentativa de solução para a falta de criatividade tricolor era a bola aérea, e quase deu certo aos 43. Mateus Norton cruzou da direita, Pablo Dyego desviou de cabeça e a bola passou a centímetros de Pedro, que tentou de carrinho.

Quando parecia que o Fluminense tomaria conta do jogo, foi o Santos que voltou amplamente superior do intervalo. Se não jogava bem, apertou a marcação, conseguiu ficar mais com a posse e passou a apostar na velocidade de seus atacantes para levar perigo.

Aos 12 minutos, teve a melhor chance até então. Em rápido contra-ataque pela esquerda, Gabriel recebeu boa enfiada, foi à linha de fundo e cruzou. Bruno Henrique subiu sozinho e cabeceou cruzado, rente à trave. Aos 20, a dupla funcionou de novo. Desta vez foi Bruno Henrique que cruzou da esquerda para Gabriel, que não conseguiu finalizar em cheio.

O Santos até seguiu melhor nos minutos que seguiram, mas já sem a mesma capacidade física, o que reduziu a velocidade e, consequentemente, minou as oportunidades de gol. Mas faria diferença a favor do time paulista a maior qualidade de seus jogadores. Aos 41, Bruno Henrique recebeu lançamento preciso de Diego Pituca, dominou com estilo e finalizou para a rede para definir o placar.

Outros jogos da rodada

Na Ilha do Retiro, Sport e Grêmio fizeram um jogo que ficou longe de empolgar. O empate sem gols foi ruim para as duas equipes, que vão para a pausa da Copa do Mundo em posições piores na tabela. O Grêmio deixou o G4 enquanto o Sport é o oitavao colocado.

Paraná e Cruzeiro também ficaram no empate. A equipe mineira saiu na frente com um gol de pênalti, mas o time paranaense chegou a igualdade aos 30 minutos do segundo. Porém, o Paraná continua na zona da degola.
MAIS LIDAS
É vedada a transcrição de qualquer material parcial ou integral sem autorização prévia da direção
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugestão de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com