Quinta, 05 de Dezembro de 2019

Joaquim Levy pede demissão do BNDES

16/06/2019 as 09:03 | Brasil | Da Redaçao
O economista Joaquim Levy pediu demissão do cargo de presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) neste domingo (16). “Solicitei ao ministro da Economia, Paulo Guedes, meu desligamento do BNDES. Minha expectativa é que ele aceda”, afirmou em nota.

A renúncia acontece no dia seguinte às críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro. Neste sábado (15), o capitão reformado ameaçou demitir Levy por ele ter nomeado o advogado Marcos Barbosa Pinto ao cargo de diretor de Mercado de Capitais. Barbosa Pinto foi chefe de gabinete de Demian Fiocca, presidente do BNDES entre 2006 e 2007, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Ele também entregou o cargo na noite de sábado.

O próprio Joaquim Levy também trabalhou nos governos do PT. Ele foi secretário do Tesouro no governo Lula e ministro da Fazenda na gestão de Dilma Rousseff. Mesmo assim, Bolsonaro acatou sua indicação à presidência do BNDES pelo ministro Paulo Guedes.

A relação entre Levy e Guedes, no entanto, também mostrava sinais de desgastes. Em entrevista ao blog do jornalista Gerson Camarotti, o ministro disse entender as críticas de Bolsonaro ao economista. “Eu entendo a angústia do presidente. É algo natural ele se sentir agredido quando o presidente do BNDES coloca na diretoria do banco nomes ligados ao PT”, afirmou.

Na entrevista, Guedes ainda lembrou que Levy não “abriu a caixa-preta” do BNDES, o que foi uma das promessas de campanha do presidente. “Ninguém fala em ‘abrir a caixa-preta’ e ainda nomeia um petista. Então, fica clara a compreensão da irritação do presidente”, disse. “O grande problema é que Levy não resolveu o passado nem encaminhou uma solução para o futuro.”
MAIS LIDAS
É vedada a transcrição de qualquer material parcial ou integral sem autorização prévia da direção
Entre em contato com a gente: (17) 99715-7260 | sugestão de reportagem e departamento comercial: regiaonoroeste@hotmail.com